Plano de ação

O Instituto de Políticas Públicas em Direitos Humanos (IPPDH) do MERCOSUL
estabelece suas diretrizes estratégicas de trabalho e o plano de ação
por meio de planificações anuais ou plurianuais que surgem como proposta dla
Secretaria Executiva e como resultado das reuniões de diálogo com os
representantes governamentais e da Reunião de Altas
Autoridades em Direitos Humanos e Chancelarias (RAADH).

Semestralmente, o IPPDH presta contas das atividades realizadas e dos
objetivos atingidos a partir da implementação de seu plano estratégico. As
diretrizes para o Plano Estratégico 2015-2016 foram o resultado de uma
série de jornadas de trabalho participativas que incluíram vários setores da
sociedade: governo, academia, sociedade civil e movimentos sociais. Nessas
jornadas foram estabelecidas as ações estratégicas e as prioridades
para o período 2015-2016. O documento foi aprovado na XXVI RAADH.

No Plano de Ação definimos nossa missão que é fortalecer os direitos
humanos como um eixo fundamental da identidade e integração regional
por meio da cooperação e coordenação de políticas públicas. Nossa visão
é ser uma referência de organismos regional de ações estratégicas em
políticas públicas em direitos humanos desde o sul. Guiándonos por valores
como la equidad, diversidad, participación social, transparencia, consenso,
excelencia, solidaridad y credibilidad.

El Plan de Acción definió nuestros objetivos estratégicos, que definen los
resultados esperados y orientan nuestras acciones, estrategias y
actividades.

Objetivos estratégicos

1.- Contribuir com o fortalecimento das capacidades, instituições e
políticas públicas nacionais em Direitos Humanos

2.- Aprofundar a cooperação e a coordenação regional de políticas públicas
em Direitos Humanos

3.- Ampliar e visibilizar a atuação regional coordenada no âmbito
internacional em matéria de Direitos Humanos

4.- Estimular o pensamento e a cultura de Direitos Humanos na sociedade

5.- Promover o desenvolvimento institucional do IPPDH.

Esses objetivos estratégicos são o resultado dos avanços de anos anteriores
e dos desafios que marcados pela integração  regional em direitos humanos.

MAPA ESTRATÉGICO AQUÍ